Crossovers: recurso útil ou ato de desespero?

Publicada em 00:11 - 28/11/2016 por LukeG

    Quando as séries começaram a ganhar espaço na TV, parece que era mais fácil criar uma história que cativasse o coração dos espectadores e os mantivesse fiéis a uma determinada trama.

    De lá para cá, a TV se encheu de séries e tantos temas foram abordados, que os produtores passaram a usar todos os recursos possíveis para prender a nossa atenção.

    Uma forma de ganhar audiência e fidelizar os fãs são os crossovers. Para quem não sabe o que é um crossover, se é que existe quem não saiba, é quando duas ou mais séries se juntam em um único episódio.

    Esse assunto gera uma análise válida. Os crossovers são mesmo necessários ou são apenas um recurso para ganhar ibope?

    Vou tomar como base as séries da DC a título de exemplo, mas a argumentação vale para outras séries.

    Desde a criação de The Flash, quando Arrow entrava em sua terceira temporada, tivemos diversos crossovers entre as duas séries. Mais tarde, a DC decidiu pela produção de DC's Legends of Tomorrow. Agora, com Supergirl passando da CBS para a CW, deveremos ter um número ainda maior de encontros. Mas a questão é: até que ponto todos esses crossovers são realmente necessários? Claro que, se tratando de todo um universo interligado, eventualmente isso teria que acontecer. Mas será que todos os crossovers são explorados da melhor forma, ou são eles apenas uma maneira de dar uma agitada na história? Digo, um crossover deveria criar oportunidades para se explorar algum ponto ainda não abordado ou para causar aquela reviravolta na história de, pelo menos, uma das séries envolvidas, trazendo mais emoção e expectativa para a sequência.

    O que se vê, na maioria das vezes, é que um encontro entre séries parece servir apenas para sair da rotina. Claro que não podemos generalizar. Como dito, é um universo interligado, então é claro que as histórias se cruzam. Mas pensem comigo: quantas vezes a história principal de qualquer uma das séries foi alterada por causa de algo que aconteceu em um crossover, algo que não poderia ocorrer se o encontro não tivesse acontecido?

    Analise o segundo crossover entre Arrow e The Flash, Going Rogue (The Flash S01E04). Temos a Felicity visitando Central City para ver com os próprios olhos os poderes de Barry Allen. Ali ela aproveita para ajudar a equipe Flash a derrotar o Capitão Frio. No fim do episódio ela se despede de todos e volta para Star City. O que mudou na história? Que diferença faria se ela não estivesse ali? Barry derrotaria o Capitão Frio de qualquer forma. Esse crossover foi legal? Sim. Foi necessário? Não.

    Seria muito mais interessante aguardar um crossover na expectativa do que vem a seguir, sabendo que tudo pode mudar, do que, no fim das contas, cada história seguir seu rumo normalmente depois do encontro.

    Estamos nos aproximando do episódio de número 100 de Arrow. O hype é grande e, pelo que se anda comentando, parece que a série de crossovers que vai de Supergirl a Legends of Tomorrow, passando por Flash e Arrow promete mudar bastante a sequência das coisas. O teaser mostra Robert Queen e Laurel Lance. Não sabemos o que esperar exatamente, mas como o universo DC é completamente imprevisível e temos o fator Barry Allen mudando a linha do tempo a todo momento, a única certeza é a de que teremos muitas surpresas. Isso, sim, é um bom uso de um crossover. Espero que as expectativas sejam atendidas.

    E vocês, floquinhos, o que acham dos crossovers? Sintam-se livres para comentar suas opiniões e sugerir algum tema para a próxima weekly.

    Nos vemos de novo em breve.


Outras postagens



Comente

Parceiros

Podcast

Facebook

InSUBs - Qualidade é InSUBstituível © 2007 - 2017 - Termos e condições de uso.